O FANTASMA A SER EXORCIZADO

O Atlético é hoje um dos grandes favoritos ao título brasileiro.

Alguém duvida? Podem dizer que está muito cedo pra afirmar, podem arrumar desculpa, mas a campanha até agora, de 10 vitórias em 12 jogos, o credencia como um dos times que vão brigar na parte de cima da tabela em 2012.

A euforia faz parte, o torcedor tem mesmo que acreditar, que vislumbrar a possibilidade de título. Mas a carência atleticana tende a antecipar as coisas. O Galo ainda não é campeão. E ninguém sabe se de fato será ao final do campeonato, por mais que o otimismo tome conta dos corações alvinegros.

Mas ainda existe uma desconfiança presente no íntimo do mais otimista dos torcedores. Pode ser que ele não admita nem pra si, que apele pros anjos ou pra qualquer entidade de sua crença, mas ela está lá. E ela acompanha qualquer atleticano desde o fatídico dia 5 de março de 1978, tendo ele presenciado ou não este fato.

Em 1977, um time INVICTO e com muito a frente do 2°colocado. Total favorito ao título perde a decisão nos pênaltis, diante de um Mineirão lotado. E com direito ao São Paulo, perdendo cobrança atrás de cobrança. Mas o Galo repetia e aumentava a dose. Resultado… a perda de um título dado como certo. Uma certeza que escorria pelos dedos. Um sofrimento inimaginável, até pra mim que viria a nascer 8 anos depois.

O Fantasma nasceu dessa derrota. E em vez de ser exorcizado e morto, despachado pros confins do inferno, ganhou força com os acontecimentos a seguir.

1980, uma verdadeira máquina de jogar futebol. Luizinho, Éder, Cerezo, Reinaldo… Maracanã lotado e briga de igual pra igual com o Flamengo de Zico. A derrota presente.

1981, a Libertadores que mais uma vez aquela máquina de jogar bola atropelava adversário por adversário e foi parada pelo Flam… ou melhor, por José Roberto Wright. Mas parou. Não ganhou. E é mais um peso no subconsciente de derrotas alvinegro.

1985, o Atlético chega numa semifinal de Brasileiro com Bangu, Coritiba e Brasil de Pelotas. Após uma campanha avassaladora, irretocável nas fases anteriores. E o time consegue ser eliminado pelo Coxa tomando apenas 1 gol nas duas partidas.

O Fantasma Derrotista já estava criado. E forte. Apesar do otimismo sempre latente do atleticano, do espírito do “Agora Vai”, do “Esse ano é nosso” ou até mesmo do “ano que vem não escapa”…

Comecei a sentir a presença desta “entidade” na década de 90.

Em 1995, uma vitória acachapante sobre o Rosario Central no Mineirão. 4 x 0 e garantia de título CERTO. Quem iria reverter uma vantagem de 5 gols??? O bicampeonato da Conmebol já era do Atlético, só gravar o nome na taça. E aquilo aconteceu…

1999, após uma campanha regular no Campeonato Brasileiro, o time consegue a classificação na última rodada. Enfrenta um Cruzeiro super-favorito e atropela em apenas 2 jogos (enquanto todos os outros adversários precisaram de 3). Chega à final embalado, ganha do Corinthians (um dos melhores times que já vi jogar na vida) no 1º jogo, perde o segundo e no terceiro, por causa de 1 GOL… 1 GOL deixa escapar o título.

2001, timaço! Melhor meio campo do Brasil eleito pela Revista Placar (Gilberto Silva, Djair, Valdo e Ramon), atropelou o Grêmio nas quartas e cai diante de um São Caetano, debaixo d’água no interior paulista.

2009, campanha também irretocável, com um iluminado Diego Tardelli prestes a virar o maior ídolo da história do clube caso o planejado se concretizasse. O freio de mão é puxado na reta final do campeonato e o time fica fora até de uma das vagas na Libertadores, chegando à rodada final não brigando mais por nada.

E pra fortalecer ainda mais o Fantasma, vieram os anos subseqüentes, as agonias contra o rebaixamento e o 04 de dezembro de 2011…

A história mostra que quando se trata de Atlético, a cautela nunca é demais. Essas derrotas ainda assombram o subconsciente do Galo. Ainda estão presentes, soprando no ouvido do mais fiel atleticano, ao menor sinal de vacilo, que ainda não é dessa vez, que tudo vai se repetir.

E é esse Fantasma que precisa ser exorcizado!

Não sei se com a confiança exagerada e o apoio total e irrestrito como vem sendo demonstrado, mas é uma alternativa mais do que válida. O atleticano esse ano tem todos os motivos pra acreditar. E ele tem razão de acreditar. Tem um time forte, joga o melhor futebol do país, tem elenco com peças de reposição… o Atlético se preparou como nunca pra ser campeão!

Mas vai ter que saber perder. Vai ter que saber lidar com as derrotas, que acredite ou não, ELAS VIRÃO. Elas são normais, ainda mais num campeonato como este. O Cruzeiro de 2003 perdeu 2 partidas seguidas, sendo uma delas pro Juventude-RS em pleno Mineirão. Mas soube se recuperar bem. Todos os campeões perderam, mas souberam se recuperar. Pela história, pela pressão e pelo maldito subconsciente derrotista, o Atlético saberá? O Fantasma está calado, mas sabe que a hora de atacar virá. Assim que surgir a derrota, a má atuação, o resultado inesperado…

E é nessa hora que o Galo terá de provar que o passado ficou realmente pra trás. Que nada daquilo mais contará. Pelo menos por um momento, que se esqueça a história. O que conta é o futuro. O Fantasma está pronto pra ser morto e o ano é este. Daí pra frente, sem o peso das derrotas passadas e com a “entidade” despachada, o Galo poderá voltar a ser gigante, mas dessa vez acordado.

E pronto pra qualquer briga!

PARA SEGUIR ESTE COLUNISTA NO TWITTER, clique aqui

SIGA ESTE BLOGUEIRO NO TWITTER clicando aqui

Anúncios

22 comentários em “O FANTASMA A SER EXORCIZADO

  1. Texto sensacional. Ou ficamos mais confiantes que tudo vai ser diferente em 2012 ou que o elenco vai repetir os fatos dos anos passados. Fico com a primeira opção.

  2. Este ano com os pés no chão,se Deus quiser vamos conquistar no grande titulo Nacional e tentar apagar as Roubalheiras q tivemso no passado,#GaloForteVingador

  3. Perfeito. Cabe principalmente à diretoria e Comissão tecnica, não deixar a equipe se abalar nos momentos dificeis. E a torcida cantar mais alto sempre que o time passar por dificuldades. Sabemos que vivemos entre a Euforia e Desconfiança, mas este ELENCO nos faz ter esperanças além do esperado, e pra concluir vou postar aqui o que um AMIGO CRUZEIRENSE escreveu em uma conversa após a vitória contra o Santos:

    “…Aliás, sempre falou-se muito, no Brasil todo, sobre a rivalidade entre Cruzeiro e Galo. Mas de uns anos pra cá, a imprensa nacional tem dado muito mais atenção ao futebol gaúcho do que ao nosso. Quanto o assunto é rivalidade, eles falam dos grandes de Porto Alegre e não mais dos grandes de BH…
    E também pudera, apesar do Grêmio não ter ganhado nada de importante nos últimos tempos, ele continua sendo um grande campeão e o Internacional resolveu ganhar tudo na última década. Enquanto isso, o Galo mergulhou numa decadência feia nos últimos 8 ou 10 anos e o Cruzeiro não ganha nada importante desde 2003. O Brasileiro do ano passado foi uma vergonha pro futebol mineiro…
    Nossos clubes precisam voltar a ficar em evidência, manter ou recuperar o respeito e o prestígio que tem ou já tiveram. Já passou da hora do Galo conquistar outro Brasileiro e ganhar outros títulos importantes. Assim como já passou da hora do Cruzeiro voltar a ganhar ama Copa Brasil, uma Libertadores ou uma Sulamericana.
    A torcida do Galo se acostumou a pensar pequeno, passaram a comemorar as derrotas do Cruzeiro como se fossem vitórias próprias e comemoram título da Série B e do Ruralzim como se títulos mundiais fossem…
    Assim como a torcida do Cruzeiro tem se contentado com muito pouco ultimamente. Os cruzeirenses tem comemorado apenas alguns títulos mineiros e as recentes goleadas sobre o galo; e usam as goleadas e o rebaixamento do Galo em 2005 pra provocar os atleticanos. Se continuarmos assim o futebol mineiro vai acabar mergulhando numa mediocridade sem fim…
    Em 2009, eu não sei o que foi mais patético: o Cruzeiro perder a final de Libertadores dentro de casa, de virada e com um Mineirão lotado; ou os atleticanos terem feito o Carnaval que fizeram, tendo ido buscar os argentinos no aeroporto e depois comemorado com os caras no Hotel…
    Eu espero realmente que meu time volte a ganhar títulos importantes e que o seu time também te dê motivos pra alegria, dessa forma o futebol mineiro voltará a ser respeitado como deve e não precisaremos comemorar com tanta intensidade as derrotas alheias.” (André Morelli)

    Desculpem a extensão.

    1. Eu concordo com ele. Por mais que aqui fale SÓ de Atlético, é uma coisa que afeta o futebol como um todo. E afeta o rival também. Assim como as coisas do Cruzeiro afetam o Galo. Os dois não se bicam, mas um não vive sem o outro.

  4. Texto maravilhoso e diz tudo…precisamos aprender a perder….e ACREDITAR… confianca com os pes no chao… ms CONFIANCA….

  5. Alexandre,

    Não podemos misturar cautela com pessimismo. Não acredito que vivemos um fantasma de 77 que cresceu até os dias de hoje. Se a torcida fosse desconfiante, o Atlético não teria os públicos que teve ao longo desses anos. As situações que você referiu fazem parte da história do Galo e mostram algumas vezes que chegou perto ou muito perto de um título. Quando o torcedor se refere as derrotas em 80 para o flamengo, 99 para o corinthias, não lembra com trauma ou com assombro, mas com saudade de um grande time que deu muitas alegrias. O Galo também fez boas campanhas em 87, 83, 94, 96, 97, 2001, 2009 e não foi por causa de um “fantasma” que não chegou. Todo ano o torcedor do Galo acredita, e este ano não é diferente. O Atlético é grande pela sua história e pela sua torcida. O torcedor do Atlético não é nem nunca foi “assombrado” com as derrotas que teve no passado. Frequento as arquibancadas desde o tempo que você usava fraldas e não existe isso de derrotismo. Deixe de pessimismo!!

    1. Caro Antônio
      O fato de vc frequentar as arquibancadas desde que eu usava fraldas, não te faz mais atleticano que qualquer outro. Um garoto que nasceu em 1997 pode ser mais atleticano que todos aqui. Mas enfim, creio que vc não entendeu completamente o teor do texto. Ele não é pessimista. Não estou afirmando que o Galo não será campeão e nem briga por tal. O comentário do “David Galo Metal” ali embaixo acho que resumiu: “o galo ta faltando voltar a ser grande nas quatro linhas, e nao terminar o ano novamente apenas com uma boa campanha, pq boa campanha o galo ja tem um monte TEM Q VOLTAR A SER CAMPEAO!!!”

      Tem que voltar a ser campeão. E pra isso, precisa mandar embora essas derrotas que ainda pesam no subconsciente de qualquer atleticano.

      Abraço

      1. Desculpe se o ofendi quando disse que ia no mineirão desde que você usava fraldas, não foi minha intenção. Não existe mais ou menos atleticano, acho que aqui todos concordam com isso. Só quis dizer que não existem esses fantasmas desde 1977, isso é querer explicar uma coisa que não tem como explicar. É menosprezar os títulos que o Atlético ganhou nas últimas décadas. Nessas derrotas garanto que todos lembram com tristeza mas também crescemos como atleticanos, vide o comentário abaixo, do Krico sobre 2001, duvido se ele temia que o Galo não iria voltar com a vaga. Acho que a grande maioria lembra daquele grande time do final dos anos 70 e início dos 80 como hexacampeão mineiro e pelo futebol de encher os olhos, não pela final do brasileiro perdida pro flamengo. Só faltou você falar que o “mito” “campeão do Gelo” foi criado pela carência de títulos e que no hino frase “vencer, vencer, vencer” foi colocada para suprir o medo da derrota que existe no imaginário atleticano. Se o Atlético tivesse conquistado o título de 77 alguma coisa tinha mudado nos últimos anos? Quero muito que o Galo seja campeão brasileiro e ele tem tudo pra ser nesse ano, mas deixe essa bobagem de espírito derrotista, todo ano o atleticano sempre acredita, as vezes até de forma exagerada, que seu time irá ser campeão. Não caia nesses papos de cruzeirenses. GALO!

  6. Pô Alexandre ,aí naum meo ! lendo vosso trânscrito, deu um branco aqui cara ! May day … may day … Alô …Alô … aqui ainda é a terra ?!?! Puuutsssss !! Melhor mesmo é fincar os dois pés no chão, e torcer muito para que este ano finalmente tenhamos encontrado a ‘cura’ e, exorcizar de vez estes ‘espectros luminosos’, parentes do Gasparzinho – que naum teem sido nada camaradas conosco – prá bem longe do GALO . Em 2001 me afoguei debaixo d’água – debaixo d’água ?! é ser bonzinho demais, com o dilúvio que rolou nqle jogo rsrs … – literalmente afogamo-nos no Anacleto Campanella .Naquele arrozal , só seria possível jogar ‘pólo aquático ‘,porque futebol[?], dava naum véi ,e ainda peguei um puta resfriado !,Fazer o que[?] era o GALO né … !!!abs e #GaloSempre

    1. Tenho trauma desse jogo até hoje, hahahaha… Magrão desgraçado! kkkkk
      Mas a gente tem que lembrar disso pra de alguma forma mandar essa merda pra longe!

  7. Tem mais histórias.
    1985 eu, criança, estava no Mineirão atrás do gol quando o goleiro do Coritiba pegou uma bola de dentro do gol e não gol foi validado (até eu, criancinha, vi). Lembro até hoje do silêncio da massa caminhando pela Abraao Caram depois daquele 0x0.
    No ano seguinte, 1987, a Copa União. Com certeza melhor campeonato de futebol já disputado no país, só com os time grandes. O Galo montado sem as estrelas da “Era Reinaldo”, mas no banco com o “pé frio” Telê Santana. Uma máquina de tocar bola e preencher espaços, invicto no primeiro e no segundo turno, cai na semi final num jogaço no Mineirão, contra quem, o Flamengo, claro. Esse foi foda.
    Mas estamos calejados. Se vamos ganhar esse ano, ninguém sabe. Se não ganharmos, não vai ser o fim do mundo. Mas se ganharmos, ah, eu não respondo por mim.
    Galo!

  8. Parabéns pelo texto, Alexandre.

    Realmente, o torcedor do Galo precisa aprender a conviver com esse “fantasma”. É esquecer o passado e acreditar cada vez mais na vitória. Apoiar o time em todos os momentos. Se essa torcida pensar apenas em apoiar, incentivar, gritar e lutar com o time, garanto que iremos longe. Time pra isso tem, basta apenas que saibamos mante-los motivados.

    Grande abraço Alvinegro;

    Israel Galo Doido

  9. A vontade q eu tinha era de dormir e acordar soh em dezembro pra saber o q aconteceu rsrs…..minha filha nasceu a quase 1 mes e seria tao bom ver ela nascendo num ano do GALO CAMPEAO os coraçaoes alvinegros voltando a bater em pleno vapor, o orgulho sendo trazido de volta, os adversarios ingulindo todas as asneiras q diserram da gente, penso mto nisso, acredito q pode ser esse ano, mas eu tenho aquele medinho de me decepicionar de novo e de novo, mais o galo ta faltando voltar a ser grande nas quatro linhas, e nao terminar o ano novamente apenas com uma boa campanha, pq boa campanha o galo ja tem um monte TEM Q VOLTAR A SER CAMPEAO!!! ate pra entrar na liberta com o pé direito, e com o presitigio resgatado.

  10. Eu estou confiante por um motivo simples,nao temos muitos peladeiros no time titular.
    Temos jogadores com muitas qualidades e respeitam o treinador em campo. Cumpre funcoes taticas em campo.
    E por isso temos um time aplicado em campo e que marca muito bem.
    A matematica eh simples mais 13 vitorias para ser campeao mas para exorcisar de x,14 vitorias.

  11. Tenho a ideia, de que o Atleticano gosta de sofrer (não me xingue, até ler tudo). É nas derrotas, que você vê a força dessa torcida fantástica e fanática; que empurra e ama o clube, e não é pelos títulos! Atleticano é meio ‘mazorquista’, chame como quizer. Gosta de torcer e se emocionar, passar sufoco.
    Eu por exemplo, que não torcia pra time nenhum, tornei-me atleticano naquele fatídico ano de 2005 (olha o fantasma do Alexandre aí…), Mineirão lotado, numa temporada que ninguém gosta de lembrar.
    E no ano seguinte, como a tal da fênix, como diria o outro: ‘ressurgindo das cinzas’, parece clichê (e é…). Mas o fato é que aquele time com Bilú, Tchô, Vanderlei, Marinho (#CreinDeosPadi) e companhia, fez história em reafirmar a paixão da torcida, mais uma vez que, na penúria, arquibancadas lotadas.
    E quem não se lembra do Botafogo, ah, o Botafogo (fantásma, ói ele de novo)… Naquela noite da Copa do Brasil, em que o Simon, não deu o penalte eu, como muitos não durmi.
    E o ano passado? Aquele time que não conseguiu nem vaga na Sulamericana?
    Uma atleticana que na última quinta, participou do Golasô da Band, quando peguntada, qual será o placar de Fluminense e Atlético (amanhã, dia 29), respondeu: ” Será 3 a 2 pro Galo. E com o gol da vitória, aos 43 DO SEGUNDO TEMPO!”
    Viu? A torcida do Galo gosta de vencer… E sobretudo, de sufoco; de sofrer.
    Como vêem caros, não são apenas os títulos que formam o atleticano: ás vezes são as cicatrizes, ou os fantasmas como queiram.
    (@siidjunio)

    1. hehe, concordo com o Júnio, tb vejo como cicatrizes, mas não podemos esquece-las, como diria o Seya “Cicatrizes são marcas da coragem… são verdadeiras medalhas da coragem! Como é que você que não conhece a dor, pode ter orgulho de sua vitória?!”

  12. Alexandre, você mandou bem o recado.
    O que tem que acontecer, acontece antes nas mentes de quem fará o acontecido.
    Nada, absolutamente nada pode acontecer do nada.
    As coisas atleticanas acontecem nas cabeças atleticanas.
    Vencer é o ideal atleticano, como diz o nosso hino, na letra de Vicente – aquele moço que trazia flâmulas do Galo, quando saia de Moc para BH, só para ver jogos do CAM.
    A MASSA alvinegra precisa aprender vencer junto com o Galo das alterosas, pode começar com as garras fortes no controle remoto e nas mídias sociais.
    Denunciar as manipulações de resultados, denunciar os insistentes “Herros Umanos” dos homens de preto.
    Para vencer este brasileirão, não bastará com onze em campo, com o Kalil na presidência, mas também, com a MASSA no papel de ariete a avançar nas barreiras sujas do jogo de cartas marcadas, sim!

    @cabrito2606

  13. Gostei do texto mas entendo que este fantasma que o xara diz é o nosso maior tabu que este ano há de ser quebrado. Penso que não existe força oculta, existiu sim um azar desgraçado, as ações ilicitas da CBF (Srs Juizes) e faltou um pouco de capacidade do Galo na hora que realmente precisou (elencos fracos). Acho que agora temos sorte, estamos provando que somos os melhores… mas ainda temos a CBF através de seus arbitros pau-mandado FDPS! Kallil fica de olho nestes canalhas!

    Galo sempre!

  14. Parabéns pelo texto, Alexandre. É isso mesmo. Olhar para frente sem esquecer o passado, para cometermos os mesmos erros.

    Abraço.

    @RuyMorato

  15. Parabéns pelo artigo mas serei direto em discordar de algumas coisas.
    Realmente não existe fantasma algum, naquele que entende que derrotas existem,perdas de títulos etc… de certo muitos campeonatos ou partidas foram perdidas pelo Atlético porém, foram frutos ou de falhas, da incapacidade naquele momento, ou devido à superioridade do adversário. Houveram outras e estas, muitas, contundentes, que foram as manobras da CBF,sempre corrupta a beneficiar este ou aquele escolhido por ela, além da eterna pressão do patrocinador, da TV Globo etc…numa politicagem das mais sujas, as quais até hoje lutamos todos, todos os estados menos o “eixo do mal”, para derrubá-la.
    O fantasma existe para o supersticioso, para o traumatizado e estes, aos poucos, o Galo os está recuperando, com uma campanha quase impecável e o mais importante….limpa…
    Podemos tropeçar sim, assim como qualquer outro time, como também, os da parte debaixo da tabela podem ascender repentinamente, visto que o campeonato vai até dezembro.
    Em resumo, não foi o fantasma que nos tirou títulos, pois ele inexiste.
    O que nos tirou-os, foram em sua maioria, a vergonha, a roubalheira, o suborno, a corrupção e politicagem suja, árbitros, tudo isto, toda esta corja e fatores, resumidos em dois nomes: CBF e TV GLOBO.

  16. A euforia faz parte, o torcedor tem mesmo que acreditar, que vislumbrar a possibilidade de título. Mas a carência atleticana tende a antecipar as coisas. O Galo ainda não é campeão. E ninguém sabe se de fato será ao final do campeonato, por mais que o otimismo tome conta dos corações alvinegros.

Os comentários estão desativados.