O SONHO DO GALO NÃO ENVELHECEU

Quando nasci, a estrela amarela já estava no peito. O Atlético era temido dentro e fora de seu terreiro. Fomos semifinalistas em 14 edições do Campeonato Brasileiro. Estranho termos ganhado somente um, o primeiro de todos, depois nunca mais.

Com este jejum de quatro décadas, não existe ninguém capaz de explicar de que sobrevive a torcida atleticana. Mas também não existe atleticano algum que não entenda.

Entre vitórias e derrotas, campanhas memoráveis e outras que preferíamos esquecer, aprendemos a comer sonho. E até o cruzeirense Milton Nascimento sabe que os sonhos não envelhecem.

É como o velho Calebe e o sonho da terra prometida. Quando o povo hebreu deixou o Egito e perambulou mais de quarenta anos pelo deserto, muitos ficaram pelo caminho. A primeira geração, aquela que tinha visto maravilhas e milagres, morreu. Outra geração nasceu em meio à sequidão do deserto. E viveram de sonho.

Calebe era um sobrevivente da primeira geração. Quando foi falar com o jovem líder Josué, contou que tinha saído do Egito aos 40 anos de idade. Estava agora com 85 anos e sentia que seus músculos estavam tão fortes como nos anos de sua mocidade. Estava pronto para entrar na Terra Prometida. Queria, podia, merecia entrar.

Mas eles sabiam que não seria fácil, que enfrentariam gigantes. Para ganhar um solo, é preciso mais do que apenas chegar à fronteira. Tem que ser forte. Tem que guerrear. Tem que se unir. E tem que haver alguma coisa, uma mística, talvez a ajuda do vento que no deserto soprou tanto contra, quem sabe a queda misteriosa de muros intransponíveis enquanto os soldados marcham ao redor.

Pois é. Eu nasci no deserto e estou com sede. No entanto, sinto-me mais forte e pronta do que nunca. Ainda não havia testemunhado um time do Atlético jogar como vem jogando. A mística está aqui para quem quiser ver. Esta força dos guerreiros em campo, este destemor, este canto incessante da arquibancada, nada disso eu nunca vi. Não desse jeito. Não de fazer arrepiar tanto assim.

Sei que ainda é cedo para mandar bordar a segunda estrela na camisa. A guerra será longa e pode ser que, deusmilivriguarde, não saiamos com a taça na mão. Mas, ah, como é bom brigar por um sonho e vislumbrar a terra prometida!

PARA SEGUIR A COLUNISTA NO TWITTER, clique aqui

SIGA ESTE BLOGUEIRO NO TWITTER clicando aqui

Anúncios

23 comentários sobre “O SONHO DO GALO NÃO ENVELHECEU

  1. Bacana demais, Ana! Parabéns!

    Este ano, vai!

    Saudações.

    @RuyMorato

  2. Mais um ótimo texto da Ana. 🙂
    Pois fique sabendo que eu estou sedento, quase babando … 🙂
    Eu tava meio sumido, pois estou com problemas sérios de saúde com minha filhinha. Mas se Deus quiser vai dar tudo certo.
    Gostaria de saber se alguém pode me explicar, como se eu fosse uma criança, porque adiar um jogo para quase 01 mês, se o campo já pode ser definido ? (Macaé / Volta Redonda)
    Me expliquem ai !!!!!!
    Abraços a todos.

    1. Marco ! sorte para sua filhota aê irmão.Que Deus lhes abençoe cara ! Força aê irmão …

      1. Obrigado Ana. Semana que vem, se Deus quiser, ela começa o tratamento.
        Um grande abraço a você e ao kriko

  3. Ana, além de lindíssima, você escreve maravilhosamente bem…mexeu com minha lembrança que, hoje, em meus praticamente 50 anos,me arrepiei ao lembrar dos tempos de 1971, quando ainda garoto. Fui ao mineirão com meu amado e saudoso pai e um querido vizinho chamado, Sr. João Conrado, todos extremamente, apaixonadamente atleticanos. Saíamos daqui do bairro da serra, da rua joanésia, de carona com o Sr. João, em sua Brasília, anciosos e felizes por ver mais, não somente uma partida de futebol, mas sim, um verdadeiro show de bola que nosso Glorioso nos concedia nos gramados, até sermos agraciados com aquele título extraordinário.
    Dormir e acordar no dia seguinte, campeão…é uma emoção dos sonhos, de vida, de fazer o tempo parar como fazia nosso Dario, feito beija-flor, parar no ar!
    Agradecidos por toda a vida, somos ao querido Telê Santana, para mim, o maior entre os maiores técnicos do mundo.
    Você, com suas lindas palavras, me arremessou memória adentro, bem no meio da maravilhosa massa atleticana, alí pertinho da Charanga do Galo…nos embalando com o hino do Glorioso e outras deliciosas marchinhas e músicas como a de Beth Carvalho…”Chora..não vou ligar…não vou ligar…chegou a hora…”
    Como amei esta volta ao passado e isto tudo me arrepiou até a alma…de emoção, de saudade…de meu pai, de nosso vizinho…dos tropeiros,dos churrascos…das vitórias incontestáveis do Galo…
    Amei o Galo naquela época, como em todas as outras e assim até hoje o amo. Emociona-me ouvir o hino mais lindo de todos os hinos de clubes do país…
    Emociona-me falar deste passado, emociona-me falar de toda a minha vida, pois em todo o percurso, nas vitórias e derrotas, no rebaixamento e na volta à elite, como agora, nesta fase maravilhosa em que o Galo se encontra..estive, estava, estou e estarei com o nosso Galo…sempre!!!
    O Galo, é como a esperança e…como dizemos sempre, quem não vive com esperança…já morreu!
    Concordo com você, ao dizer que, caso a taça não seja nossa, ao menos estaremos felizes, pelo que temos visto nos gramados, pelo fino futebol que nosso Galo hoje nos premia.
    Mas….que Deus veja nossa paixão pelo Glorioso e, nos abençoe com este título e assim, você experimentará pela primeira vez uma sensação sem igual…
    Uma sensação deliciosa, um colorido diferente no ar, um brilho nos olhos e seu coração explodirá em emoção e alegria, ao som do hino do nosso Clube Atlético Mineiro…
    Oscilações virão, a politicagem já mostrou sua cara nos dois últimos jogos,porém, mostramos aos mesmos que nosso poder e querer, foi e é maior do que suas vontades e má intenção.
    Somos fortes, afinal, “Nós somos do Clube Atlético Mineiro, jogamos com muita raça e amor”…
    E ao final de 2012, poderemos então, entoar aquela nossa famosa música, numa só voz:
    ” Chora, não vou ligar…não vou ligar…chegou a hora, vou festejar…pode chorar…pode chorar ”
    Um abraço a você Ana e à toda a nação atleticana…

    1. Pois então você é como Calebe, embora seja bem novinho em relaçao à personagem do relato bíblico. Já está na hora de você também soltar este grito recolhido há mais de 40 anos, né?
      Obrigada por seu comentário.
      Obrigada aos demais leitores pelos comentários também.
      E vamos que vamos. É para o alto que vamos. O mais alto. Lá onde está a taça.

      Gallllooooo!

  4. AnA ! a mística Alvinegra para tudo isto que tu expressastes em vosso belo texto,tem um nome, e,seja qual for o final de mais este capítulo na história do GALO,ela sempre irá prevalecer. PAIXÃO ! é isto que nos faz ser o que somos. Somos ALVINEGROS das Terras das GERAIS,e isto AnA, nos faz ser diferentes. E o resto[?] …bem …! o resto é resto ,uai !abs e #GaloSempre

  5. Ana muito bom o texto,tambem tenho a mesma sensacao desse time estar jogando por musica tem muito campeonato pela frente mas temos elenco pra sermos campeoes.Saudacoes GaloLider.

  6. Ana, Venho lhe parabenizar pelo excelente texto, mas vamos colocar um pouco de realidade no seu texto. Não é muito difícil saber porque o Galo ganhou um campeonato nacional e depois não ganhou mais nada de 41 anos para cá mas sempre chegando perto. Quando Galo ganhou em 1971 o primeiro brasileirão os RioSãoPaulinos tomaram aquilo como uma afronta, dizem os jornais da época antes da partida no Rio que os mineiros eram um bando de “caipiras” que não tinham time para ganhar nada e que o Botafogo já podia fazer as faixas de campeão, vejam as declarações do Gerson na época (famoso canhotinha de ouro, aquele mesmo da seleção de 70) que causaram varias polemicas e no jogo do Botafogo no Mineirão ele hipocritamente trouxe um buquê de flores para entregar ao Presidente do Galo falando que foi mal entendido pela imprensa e o Presidente deu um “bico” nelas de raiva, jamais eles imaginavam que os “caipiras” ganhariam na casa deles um campeonato que até então a CBF do mafioso João Havelange entendia que era um campeonato deles, de propriedade deles, que os times fora do eixo Rio/SP eram meros coadjuvantes. Pois é, os “caipiras” foram lá e babau, ganharam jogo do Botafogo, esfregaram o titulo na cara deles, foi uma afronta daquelas para eles. Desta data em diante, um time mineiro não ganhou mais nada no brasileirão, era mais fácil ganhar a Libertadores como nosso arquirrival ganhou na década de 70 do que ganhar uma competição organizada pela CBF. A armação era tão descarada que os ingênuos dos nossos rivais aceitaram ou venderam o mando de campo na final do brasileirão contra Vasco, transferindo o jogo final do cruzeiro (que tinha um timaço) contra Vasco para o maracanã, abrindo mão do Mineirão, acho que os cruzeirensses tinham tanta confiança no time que achavam o imbatível em qualquer campo e foram para Maracanã e perderam o titulo literalmente roubados pelo juiz e ficou tudo por isso mesmo. E assim vem acontecendo com os times mineiros que são literalmente boicotados na CBF, o Galo perdeu o titulo de 1977 com mais de 10 pontos na frente do São Paulo e invicto no campeonato não foi porque os jogadores perderam os pênaltis na final como e fato ocorreu, já estava dentro da CBF tudo sendo conduzido para prejudicar o time tirando da partida decisiva o seu principal jogador cujo talento com certeza faria do Galo campeão naquela fatidica noite da final do campeonato de 1977 no Mineirão, o Reinaldo tinha sido expulso no inicio do campeonato brasileiro (logo nas primeiras partidas) e a CBF muito espertamente não julgou o jogador deixando esta carta na manga aguardando a melhor hora para fazer uso dela, e realmente fez na hora certa, o julgamento foi 08 (oito) meses depois na semana da final do campeonato e deu a penalidade justamente de dois jogos, como ele havia cumprido um jogo na suspensão automática, faltava ele cumprir o segundo jogo, como só faltava a final, pronto estava resolvido, Reinaldo não jogaria a final. Ainda na época a Presidência do Galo entrou com um recurso na justiça comum e obteve uma liminar no dia do jogo que dava condições ao Reinaldo de jogar a final, mas a truculência e descaração da cartolagem de Rio/SP era tão determinada, que quando o chegou a hora do jogo nos vestiários do Galo o Reinaldo estava pronto uniformizado para entrar em campo, quando entrou no vestiário um Coronel do exercito da região de SP fardado e disse que o Reinaldo não ia jogar e que a liminar não valia nada, apresentando um documento fajuto da justiça militar do estado de SP, é mole, então o Presidente do Galo não quis afrontar a ditadura militar e abriu mão de Reinaldo entrar no jogo, resultado infelizmente perdemos o campeonato, jogo que ainda teve um juiz segurando o Galo contra o São Paulo. Se o Reinaldo joga com certeza não iríamos para disputa por pênaltis. Em 1980 não precisa nem falar, o Flamengo era para ter tomado um goleada no primeiro jogo em MG e o juiz não deixou mesmo e no jogo no Rio o juiz Aragão fez de tudo e até expulsou o Reinaldo, que mesmo com uma perna só estava inviabilizando o Flamengo ganhar o jogo e por consequência o titulo. A coisa foi indo de forma tão absurda que um Presidente do Atlético apelou literalmente e se recusou a colocar o time em campo em uma semifinal (não lembro qual) discordando da forma como a CBF armou a tabela dos jogos, e retirou o Galo do campeonato brasileiro, ai o outro mafioso Ricardo Teixeira tomou isso como uma afronta maior ainda e já sabemos a historia de lá para cá, na era Ricardo Teixeira o Galo não ganhou nada, sempre prejudicado pelo sistema, e esse hipócrita se dizia torcedor do Galo, brincadeira. Em 1999 quando o Galo foi a final contra o Corintinhas novamente o sistema com o apito na mão literalmente garfou o Galo, não marcando um pênalti no Marques e obrigando o Galo a ir para terceiro jogo contra o Corintinhas. Ah! mas vão dizer, o cruzeiro foi campeão em 2003. O nosso arquirrival somente foi campeão em 2003 por uma serie de fatores políticos envolvido na época que não tem nada haver com futebol dentro de campo, na época o Zeze Perrella fez um acordo com Ricardo Teixeira de apoio a ele votando contra a primeira CPI da CBF em troca de não ser prejudicado no campeonato brasileiro porque o cruzeiro não tinha esse titulo e o seu rival já possuía o titulo e ele precisa equilibrar as forças em Minas Gerais, mas mesmo assim não foi fácil porque a turma de SP não queria abrir mão do sistema, assim nasceu a amizade entre o Sr. Zeze Perrela e o Sr. Ricardo Teixeira, que perdurou bem, até o Zeze Perrela ver a o cruzeiro ser prejudicado literalmente recentemente pelo sistema num jogo do brasileirão 2010 contra o Corintinhas numa partida em que marcaram aquele pênalti mandrake no Ronaldo Gorducho e o cruzeiro perdeu o titulo ali naquele jogo, tanto que acabou vice campeão com 1 pontinho apenas atrás do Fluminense, mas a armação era para Corintinhas ser campeão. É Ana, como diz o historiador Eduardo Bueno, a historia real é feita de lutas e sangue tanto aqui no Brasil como em qualquer lugar do mundo e “Um povo que não conhece a própria história está fadado a repeti-la”. As armações da CBF contra o Galo já começaram, adiaram o jogo contra o Flamengo e vão deixar o Galo sem jogar 9 dias, claro que um dos objetivos disto é quebrar o ritmo de jogo do time. Devemos ser um povo que pare de sonhar e lutar para mudar a historia, a saída de Ricardo Teixeira e o afastamento do João Havelange do futebol brasileiro abrir uma pequena porta para democratizar o futebol no Brasil, quem disse isso não sou eu, foi ontem o Ministro Aldo Rebello, quem sabe está ai uma esperança, afinal esta é sempre a ultima que morre…

    1. Mais clara que suas palavras somente a luz do sol! Seu comentário vem a se juntar com as palavras da Ana e com as minhas e de todos, afinal, sabemos bem aonde pisamos e a Confederação que temos…
      Mas não há de ser nada. Caso o Depto Jurídico do Galo não consiga reverter este quadro, e tem o estatuto como fundamento maior, levaremos o Galo aonde tiver que ser e mostraremos a estes cartolas corruptos e manobristas que nem 3, nem 9 ou mais dias irão tirar a força e o embalo do Atlético… E enfiaremos goela abaixo a todos estes e a seus protegidos, uma vitória digna de um verdadeiro candidato limpo, ao título!

  7. Você tem toda razão! Como é bom ver o Galo jogando desta maneira. Como é contagiante ver o time e torcida nesse ritmo. Espero que agora vamos assim até o final. E o melhor disso tudo é que os jogadores tem percebido esse envolvimento de fora e carregam isso para dentro do campo, como a muito tempo não acontecia!

  8. Olha esse texto tem tudo a ver, com o galo passar por cima de tudo e de todos para ser campeao. cbf (casa bandida do futebol brasileiro) adiou o jogo do galo contra o flamerda tudo pq eh o flamerda, para bosta desse time a noticia foi maravilhosa, principalmente para o dorivalda, q vai ter tempo pra trabalhar a sua equipe, se fosse o atletico no lugar tavam nem ai, mandavam agente ir jogar em sete lagoas se virar mais o jogo iria ter. Irei repetir a frase de um atleticano q eu li em outro blog, (O Atlético já tem desculpas demais em sua história. Tem que passar por cima de todos esses escândalos para ser campeão. Não tem jeito.)

  9. Esta paixão demonstrada, quando devidamente canalizada para o bem, multiplica a mística espiritual tornando-a em força incomensurável. A força que vem da essência. A força que vem da alma. Bem que disse que estava quase parindo um texto. bsj.

    1. Mas este texto já tinha sido escrito. O outro eu ainda estou esperando brotar. 🙂
      Obrigada, padrinho. Bença e beijo.

  10. Nao precisamos das estrelas acima do escudo, somente o brasão da cbf do lado esquerdo da camisa, e deixa o escudo do galo maior no manto e sem estrelas…ja que a cbf tratou de doar titulos brasileiros de pseudos torneios anteriores a 1971…agora para a cbf é o Bahia que é o Primeiro campeão brasileiro…blablabla….

    1. Eu quero uma nova estrela, sim. Vai ficar linda. E esta nova estrela será forjada com o que há de mais nobre em uma luta, que é o fato de derrotar todo mundo ao mesmo tempo: adversários, juizada incompetente e juizada mal intencionada, CBF corrupta, Rediglobo tendenciosa, etc etc etc. Eu quero a minha estrela de campeã bordada na camisa. A mais brilhante que houver.

  11. Ana,o brilhantismo do seu texto, mostra quão iluminados estamos, neste ano de 2012.
    Perfeito!

    @cabrito2606

  12. ”saudações alvinegras”
    Você escreve bem demais,gosto muito dos seus textos,principalmente aquele se referindo a poderosa rede de televisão.
    quanto a essa mudança de data do próximo jogo,acho que foi benéfica para nós,porque vai dar tempo de recuperar nossos jogadores que estão um pouco esgotados,caso de bernard e danilinho,e pro jogo contra o flamengo teremos pierre e danilinho que têm função mais defensiva,e contra o coritiba que é jogo em casa teremos o serginho e guilherme que já fazem a função mais ofensiva.
    E se os times que estão abaixo do flamengo ganharem as suas partidas ,daqui a pouco o flamengo estará na zona do rebaixamento,e sair de lá não é fácil.
    Visitei este site por curiosidade,lendo os comentários no terreirão,e agora digo com toda certeza que seus textos e comentários são melhores que lá.

    “sou mais galo que a seleção brasileira”

  13. É isso ai Ana, eu também quero essa estrela mais do que nunca, porque essa estrela vai brilhar mais do que qualquer outra que foi conseguida por qualquer outro clube, porque ela representará não só a supremacia do futebol do Glorioso GALO Mais Lindo do Mundo perante os demais mas principalmente a derrota de um sistema podre e corrupto.

  14. Mais um excelente texto da Ana! Que este ano seja o ano! Perfeito! Bjo.

  15. Prazer, Calebinho Galo, irmão mais novo do Calebe Galo. Pode acreditar que nesse sonho é tudo verdade.

Os comentários estão desativados.