NÃO TEMOS DE JOGAR BEM, TEMOS DE VENCER!

Nos próximos jogos, o Galo precisa atropelar quem aparecer pela frente. E não me custa nada dizer isso, porque não serei eu a entrar em campo para tornar essas palavras uma realidade.

Dentro de campo, o buraco é mais embaixo, como diria Nenem Prancha.

E retomar aquele futebol envolvente que encantou o país no primeiro turno é quase impossível nesta altura do campeonato. Os jogadores perderam o fio da meada em algum momento. Algo aconteceu na Cidade do Galo para afetar tanto a produção da equipe, pois não foi simplesmente uma perda parcial de performance.

O time que joga atualmente não lembra nem de longe aquele de antes, essa que é a verdade.

Mas, mesmo assim, repito: o Galo precisa atropelar os próximos adversários, seja no Independência ou fora dele.

Como fazer isso, se o time está mal? Ora, o Fluminense vem jogando como time pequeno, vem vencendo todo mundo e está na liderança à base de um futebol mais pobre do que a Etiópia. Mas tem os dois extremos mais importantes: goleiro bom e centroavante que faz gols e decide.

Nós temos goleiro, mas nos falta jogador que meta a bola na casinha. O Galo desperdiça chances na mesma proporção que as cria.

Então, é fazer como o Fluminense faz. Marcar um gol e se refugiar na defesa, passando a jogar nos contra-ataques. Já ganhamos jogos assim neste ano. Contra o Grêmio, no Olímpico, foi desse jeito.

Melhor jogar mal e botar 3 pontos na sacolinha. Só que, para isso, aquele sangue no olho tem de voltar e substituir a técnica que escafedeu-se sabe-se lá porque.

A ausência de Pierre por 15 dias foi extremamente inoportuna justo quando mais precisamos dele. Provavelmente será substituído por Richarlyson, um fabricante de faltas perto da nossa área. Fará dupla com Serginho, que marca melhor que Felippe Soutto. Aliás, qualquer um marca melhor que Felippe Soutto. Este passeia em campo e, para defendê-lo, se usa o argumento de que ele tem um ótimo passe.  Pois não vi nenhum ótimo passe no jogo contra a Portuguesa. E se ele só tem isso de bom, que se adapte em outra posição que não a de volante.

Enfim, não temos de jogar bem. Temos de vencer! Pragmatismo no futebol também faz bem. E se for para ser campeão ou obter vaga na Libertadores, o Galo tem de mudar a atitude.

Daqui para frente, tem de ser na mais pura raça!

SIGA ESTE BLOGUEIRO NO TWITTER clicando aqui

Anúncios

4 comentários em “NÃO TEMOS DE JOGAR BEM, TEMOS DE VENCER!

  1. Vencer Vencer Vencer este é o nosso ideal.

    Só peço aos jogadores do Galo, sejam vocês se o Cuca não está treinando outros tipos de jogadas, combinem você e não estarão fazendo nada errado, por que dentro de campo vale a improvisação, e ela pode ser combinada.

    Chega de chutões pra frente de balões bumba meu boi que não está resolvendo nossos problemas que é vencer, vamos tocar a bola, fazer o um dois, a troca de passes, as viradas de jogo e um meio melhor de cobrar as faltas e escanteios.

    Chega de levar gols de bolas cruzadas dentro da área, que alguem marque os adversários alí nas pontas e que os nossos zagueiros fiquem dentro da área onde é o seus lugar.

    Ainda confio e muito.

    Só consertar alguns erros, ver os VT e ter mais de vontade, atitude raça e todos se ajudarem na marcação.

    Sorte pra nós Galooooooo

  2. Concordo que jogar bem é um meio e não um fim. Fim é ganhar.
    O Flu está dando sorte também, vou te falar……

    Não acho que “algo” aconteceu na cidade do galo. Acredito sim que várias pequenas coisas somadas fizeram o rendimento do time despencar (outros times jogaram melhor+ aprenderam a marcar o galo+ jogadores cairam de rendimento+ ausência do Jô+ psicológico, etc etc).

    É o galo ficar a 1 ou 2 pontos do Flu para o negócio ferver de novo.

    Ficou mais difícil, mas eu ainda acho muito possível.

    Flu vai tropeçar, basta o galo fazer a parte dele.

  3. Não sei vocês, mas não tem um dia em que eu não pare para pensar. “Velho, o Ronaldinho Gaúcho tá no Galo”. Isso já virou um bordão em meus pensamentos. Pensar que o cara já foi eleito o melhor do mundo há poucos anos atrás e que aqui no Galo ele está recuperando esse mesmo futebol me faz ter esperança demais. Esperança em dias melhores pra esse time que me fez passar por um bocado de perrengue; esperança em ver essa camisa envergada com orgulho no peito de milhões de atleticanos; esperança em ver o nome Clube Atlético Mineiro no lugar mais alto de onde for. A torcida do Galo nunca desistiu justamente para ter essa esperança que ela vem tendo agora, de que o alvinegro vingador e temido por geral, voltou com sangue nos olhos.

Os comentários estão desativados.