Arquivo da tag: Arena do Jacaré

ATLÉTICO 3 X 0 DEMOCRATA/GV

Ou o Atlético corrige urgentemente o índice de passes errados ou os passes errados serão causa de choro e ranger de dentes em 2012.

Porque não há defesa que resista a constantes bolas perdidas na linha do meio de campo e na entrada da zona do agrião.

Fosse o Democrata um time de qualidade técnica idêntica aos grandes deste país e a história teria sido outra.

Fora isso, a equipe tem nítida dificuldade de tramar jogadas inteligentes no ataque. Falta criatividade.

E na falta de um toque de classe que ilumine mentes e jogadas, ficam trocando bolas sem nenhuma imaginação na intermediária.

Hoje, esse jogo morno e monótono só foi quebrado com a entrada de Neto Berola, que não tem paciência para esse estilo e parte para dentro da defesa adversária.

E foi o que salvou a partida. E ainda meteu dois golaços.

Por isso mesmo, Neto Berola, na minha modesta opinião, foi o único destaque positivo de um jogo chato de assistir. Destaques negativos houveram aos montes, sobretudo em relação à apatia e falta de vontade demonstradas. E em alguns momentos, até seriedade.

A verdade é que depois que Bernard se contundiu, aquela velocidade dos primeiros jogos desapareceu como num passe de mágica.

Com Bernard em campo, Guilherme e André não jogariam juntos. Seria um ou outro, pois eles não se entendem e ocupam o mesmo espaço.

Para terminar, não consigo confiar na força do time na forma em que está. Sem reforços, vamos cortar um dobrado.

E nesta semana, Eduardo Maluf _ que dissera haver contratações importantes nas duas últimas semanas _ se desmentiu sem um pingo de vergonha e declarou que estas não chegarão para o campeonato mineiro. Até aí, vá lá, pois o mineiro não é lá essas coisas.

O problema é que, não contratando para o regional, estaremos fragilizados em grande parte da Copa do Brasil (se seguirmos em frente) e uma parcela importante do campeonato brasileiro.

E, pelo que vejo, apesar de Kalil prometer não repetir os enganos anteriores, a coisa está se encaminhando na mesma direção e com os mesmos erros de avaliação ocorridos em 2010 e 2011.

Nem burro tropeça no mesmo lugar duas vezes. Mas a diretoria do Galo…

Siga este blogueiro no twitter clicando aqui

Assistam aos gols da partida:

Anúncios

ATLÉTICO 2 X 1 SANTOS. REAÇÃO OU FOGO DE PALHA?

Uma vitória suada e sofrida, como sempre são as vitórias do Clube Atlético Mineiro.

Quando teremos um bom resultado sem botar os bofes pra fora e ver o coração sair quicando pela sala?

A partida de ontem foi vencida na base da raça e muita correria. Para alguns, um jogo feio. Para mim, uma clara evolução da equipe em termos de ocupação de espaços e retomada de bola.

Eu não sei se o Atlético vai ou não escapar da degola. Mas depois deste jogo, quando constatei uma importante mudança de postura da equipe, a esperança de permanência na 1ª divisão retorna.

Devagarinho e com uma certa timidez, é verdade, mas retorna.

Entretanto, há um caminho muito difícil pela frente. Daqui em diante, não podemos abdicar nem um segundo do jogo coletivo e da raça demonstrados ontem. Se isso não acontecer, o caldo entorna de vez.

Mas vejo sintomas positivos que permitem acreditar numa continuidade.

RÉVER voltou a jogar aquele futebol vistoso de outrora, além de incutir garra e disposição no restante da equipe. Contra o Santos, sua presença foi fundamental. Os 26 mil reais gastos no fretamento do avião (no retorno do México) valeram cada tostão.

PIERRE é um verdadeiro cão de guarda à frente da zaga, e ninguém se cria por ali, pois o pau canta bonito no ritmo do rap atrevido do Alcino Neto. Encaixou-se como uma luva no esquema e principalmente no espírito do Clube Atlético Mineiro. Dá a impressão de estar aqui desde garoto.

CARLOS CÉSAR chegou num dia e jogou no outro. Não necessitou de 2 meses para entrar em forma. E, a cada dia que passa, se firma na problemática lateral direita do Galo. Aproveitando a cobertura de Pierre e Fillipe Soutto, se deslocou por todos os lados do campo, dinamizando e fazendo fluir jogadas que não existiam antes.

Lembro-me das cornetadas (algumas cruéis) que pintaram no twitter quando Carlos César chegou, certamente porque ninguém o conhecia. Tem muitos torcedores que só aplaudem contratações de grandes nomes.

Assim como grandes nomes são André e Guilherme. Não jogaram sequer um centavo de futebol decente em comparação com a fortuna investida em suas contratações. Até agora, dinheiro jogado no lixo, sem retorno algum!

Enfim, foi uma vitória justa e sadia. Outros se destacaram, como FILIPPE SOUTO e BERNARD, que ainda se tornarão ídolos do Galo, se não sairem muito cedo.

O Atlético se tornou uma equipe mais consistente do meio para trás. Porém, continuamos com aquele ponto nevrálgico pulsando e incomodando. E essa dor chama-se ataque inoperante, que erra quase tudo que tenta.

Para terminar, pergunto-me a todo momento: não seria conveniente convidar novamente o Marques para estar junto ao time?

Teria sido o Messias uma das causas dessa mudança tão significativa na postura da equipe?

E, a cada vez que penso nisso, mais me convenço que o baixinho difundiu partículas de caráter, honradez e amor ao clube ali pelos lados de Vespasiano. Será?

O que você acha disso, caro amigo do L&N?

Siga este blogueiro no twitter clicando aqui

ATLÉTICO 3 X 0 ATLÉTICO-PR. UM BOM INÍCIO.

Um placar excelente para iniciar o Brasileirão.

Uma partida não tão boa assim, mas que deu pro gasto.

Analisando com a razão _ e não com o coração _ devo dizer que os titulares fizeram uma falta danada.

Na falta deles, aquela velocidade e entrosamento de jogos anteriores foram pro ralo.

Quem assistiu ao jogo deve ter notado que os jogadores, de posse da bola, esperavam o deslocamento do companheiro para passar a pelota. Isso não é o ideal, pois cadencia uma jogada que deveria ser veloz.

Em uma equipe coesa, o passe é dado de primeira, sem hesitação, pois a movimentação _ que é vista de rabo de olho por quem detém a bola _ é mecânica. Coisa treinada até enfarar.

O meio de campo concedeu espaços demasiados, o ataque não foi incisivo em suas tramas e os laterais não conseguiram apoiar ofensivamente como antes.

Mas temos de reconhecer que um time desfalcado de 5 titulares (praticamente meia equipe), não se ajusta da noite para o dia.

Por causa disso, valem demais os 3 pontos, independente de como foram alcançados.

Não estou dizendo que a equipe jogou mal. Estou dizendo que o Atlético não foi o que poderia ter sido se tivesse atuado com o conjunto inalterado.

Hoje o Galo impôs a qualidade de seu plantel, não de seu conjunto. O jogo foi decidido em jogadas de grande qualidade técnica individual.

No primeiro gol, um lançamento primoroso de Giovanni. No segundo e no terceiro, o alto senso de oportunismo de Magno Alves.

Fillipe Soutto só não foi tão bem como em outras oportunidades porque Dorival Junior situou Richarlyson como primeiro volante e o jovem alvinegro teve de se adaptar a uma posição na qual não vinha atuando.

A meu ver, mudanças demais para um setor tão importante.

Entretanto, para iniciar, foi fantástico. E ainda nos demos ao luxo de perder gols em profusão.

Como disse Adilson Batista, o placar hoje poderia ter sido de 6, caso ele tivesse optado por 2 volantes e 2 meias. E ele veio com 3 ou 4 volantes.

Os destaques positivos foram:

Renan Ribeiro não falhou uma vez sequer. Firme nas saídas de bola e em todas as situações de ataque adversário. Transmitiu segurança. Nota 8.

Réver não perdeu nenhuma dividida. O capitão vem atuando de forma inquestionável e soberana. E olha que quase marcou o quarto gol! Nota 9.

Giovanni, apesar de muito marcado, ainda conseguiu fazer a diferença no meio de campo. Embora não tão bem como em outras partidas, distribuiu o jogo a contento. Nota 8.

Magno Alves, quando foi contratado, eu li os maiores disparates _ e impropérios _ em blogs radicais. Verdadeiras tentativas de humilhação explícita para com o profissional que chegava. Para estes atleticanos, se não forem contratados  jogadores de “nome”, nada vale. Esquecem que os grandes ídolos do Galo foram exatamente os desconhecidos ou os que se encontravam “em baixa” na carreira. Exemplos: Dario, Nelinho (poucos sabem que Nelinho estava em baixa quando foi para o Galo), Tardelli e Marques!!! Afora uma dezena de outros grandes jogadores na mesma situação.

Pois o bom velhinho meteu dois gols e ainda fez grandes jogadas. Apesar de seus trinta e tantos anos, corre muito mais que muitos garotos. Nota 9!!

Os estreantes:

Guilherme não fez nada mais do eu esperava. Sem ritmo e sem senso de tempo e espaço, tentou o mais que pôde ajudar coletivamente a equipe. Não conseguiu, mas tem muito a contribuir.

Gilberto foi uma boa surpresa. Além de um jogo fluente, sem firulas, tem sangue no olho. Pura raça. Se persistir assim, será a cara do Galo.

Marquinhos Cambalhota não jogou, pois a bola não chegou aos seus pés em condições de qualquer boa jogada ou finalização. Não há como analisá-lo.

Menção especial para Bernard, que entrou no jogo e cobriu _ e corrigiu _ aqueles setores que davam espaços. O garoto pode não ser uma sumidade em técnica, mas dá um gás que vou te contar!!

Enfim, uma vitória muito bem vinda!

Que continuemos encarando cada jogo como se fosse uma decisão.

E o final será o retrato de nossa raça!

PARA SEGUIR ESTE BLOGUEIRO NO TWITTER, CLIQUE >>> robertoclfilho

ATLÉTICO 2 X 3 VITÓRIA. ADEUS, LUXEMBURGO!

O coração está tão triste que eu confesso não ter condição nenhuma de fazer uma boa análise do jogo.

Satisfaço-me tão somente com a luta dos jogadores, que correram como loucos atrás do resultado.

Só quero dizer que a saída de Ricardinho, o único ser pensante em campo _ e o único capaz de dar alguma qualidade às tramas de ataque _ foi fundamental para que, após o 3º gol do Vitória, não mais conseguíssemos esboçar reação consistente.

E talvez, com ele em campo, tivéssemos feito o 3º antes deles.

Porém, naquele momento, a vida inteligente no meio de campo do Galo tinha ido embora para o vestiário.

Nós estamos numa situação grave demais.

Estamos às portas da 2ª divisão, levados por um treinador irresponsável, que destruiu o pouco entrosamento que tínhamos dispensando jogadores que, se não eram craques, eram os responsáveis pela boa campanha do ano passado.

E cá entre nós, são melhores que muitos que os substituiram.

E o pior, promoveu as mudanças já com o campeonato brasileiro em pleno andamento. E demorou séculos para preencher as lacunas no elenco. E muitas dessas vagas foram mal e porcamente cobertas.

Luxemburgo quis fazer um time só dele, de forma que ninguém dissesse depois que ele obteve sucesso aproveitando jogadores de Celso Roth.

Pura vaidade. Luxemburgo destilou o mais ignóbil sentimento de egoísmo que já vi em toda a minha vida.

Ele não pensou em uma nação que o recebeu tão bem, pelo contrário, ele foi capaz de defender só o seu próprio umbigo em detrimento de 8 milhões de atleticanos.

E, por causa disso, hoje somos obrigados a conviver com o monstro da 2ª divisão, que se aproxima tão ameaçadoramente que já podemos sentir o seu bafo fedorento.

Pois, para nós, a esperança vem do que vemos em campo. E em campo, a bem da verdade, não estamos enxergando absolutamente nada.

Eu não culpo o presidente Kalil. Numa hora dessas, ele deve estar mais triste do que eu, do que você, do que todos nós.

Frustrado em sua paixão e em todo o investimento, que foi altíssimo.

Ele quis trazer o Galo de volta ao topo.  Ninguém pode negar.

Alexandre Kalil lutou para honrar Elias Kalil, seu pai dileto. E eu o louvo por isso, mesmo que caiamos para a segunda divisão.

O L&N sempre manterá o respeito a Alexandre Kalil, por tudo que tentou fazer de bom para a nossa bandeira.

Reconheço e valorizo cada gota de suor que o presidente deixou na sede de Lourdes e na Cidade do Galo.

O seu único erro _ em cujo erro eu também incorreria _ foi contratar Vanderlei Luxemburgo e a sua comissão técnica.

E quando o contratou, eu também fiz festa. Mas a minha festa acabou faz tempo.

E se tenho alguma crítica  a fazer a Alexandre Kalil, é a de que ele poderia ter demitido esse arremedo de técnico há 6 ou 7 rodadas atrás.

Pois hoje constatei que os jogadores querem. Mas ele não quer. Não por vontade própria, já que ele não é louco. Mas por não saber qual caminho tomar para fazer acontecer a reação.

O pior perdido é aquele que não sabe que está perdido, porque a cada movimento errado envereda ainda mais pela trilha da ignorância.

E a nossa trilha já desembocou em precipício!

Já chega, presidente Kalil, com todo o respeito que este blogueiro tem pelo senhor. Ouça a nossa súplica só desta vez, pelo amor que tem ao Clube Atlético Mineiro!

Pare de defender o indefensável!

Grite conosco: ADEUS, LUXEMBURGO!, antes que seja tarde demais!

PARA SEGUIR ESTE BLOGUEIRO NO TWITTER, CLIQUE >>> robertoclfilho

ATLÉTICO 1 X 0 GRÊMIO PRUDENTE. OS 3 PONTOS TAMBÉM VALEM JOGANDO MAL.

Se o Galo venceu e obteve os 3 pontos, pouco me importa se jogou bem ou mal…

Mas…

… devo reconhecer que jogando mal desta forma, a confiança que a torcida tem em uma recuperação segura e firme vai pras cucuias.

Porque nós podemos até gostar de uma vitória mesmo não jogando bulhufas. Afinal, se somam 3 pontos e, a cada resultado positivo, o risco de rebaixamento se torna mais longíquo.

Porém, é duro constatar que os 8 meses de trabalho do sr. Vanderlei Luxemburgo no Galo só serviram para piorar a equipe.

E não foi só piorar, não senhor!

Ao detonar o elenco antigo, em pleno campeonato, sem nenhum planejamento responsável, o “mestre dos mestres” conseguiu pulverizar qualquer resquício de esquema tático que porventura existia.

Pois ele foi incapaz de criar um esquema inteligente que superasse o antigo.

E o resultado que vemos hoje é um rol de jogadores bons, alguns deles de alto gabarito, nos dando a impressão de nunca terem jogado juntos.

E não são 8 dias! São 8 MESES!

De muito trabalho? Talvez. Até acredito. Mas será mesmo um trabalho bem feito e eficaz?

Confesso que sou cético quanto a isso pelo simples fato de que, se esse trabalho  fosse produtivo, algo de bom já teria sido demonstrado.

Hoje a equipe jogou um razoável primeiro tempo, embora não tenha sido incisiva dentro da área, aonde as coisas acontecem.

A bem da verdade, apesar do ilusório domínio, só tivemos uma chance real de gol nesse período.

Os comentaristas do L&N não acham pouco demais para um time tão badalado, jogando em seus domínios contra o Grêmio Prudente (que por mais que mereça o nosso respeito) é uma equipe pequena e inexpressiva?

Pois bem, as esperanças de uma melhora acentuada se concentraram no segundo tempo.

E o que aconteceu? Por falta de pernas, o time simplesmente morreu em campo! Durma-se com um barulho desses!

8 meses treinando, 8 meses se preparando fisicamente, 8 meses de “muito trabalho” para um segundo tempo ridículo contra o Grêmio Prudente, simplesmente porque o nosso time só aguenta correr 45 minutos!

Onde está a tão famosa preparação física do Galo? Cadê o Mello, de quem se dizem maravilhas, apesar de sua aterrorizante e traumatizante caixa de areia?

Não fosse a clarividência de Ricardinho _ ao achar Obina bem posicionado na área aos 41 minutos da segunda etapa _ estaríamos, mais uma vez ,  deitando a cabeça inchada no travesseiro.

Depois desta partida, eu pergunto a vocês (e por favor, me respondam de forma sincera): qual o grau de confiança que este time nos passa?

E hoje eu tive uma certeza que, paradoxalmente, me assusta ainda mais: os jogadores lutam muito em campo!!!

E se lutam muito, aonde está aquele propagado complô contra o treinador sugerido sutilmente por ele mesmo?

Não existe complô porra nenhuma, minhas amigas e meus amigos. A incapacidade de fazer essa equipe jogar está no próprio treinador, que não consegue transformar em realidade a sua verborragia infindável.

E aí, para encobrir a sua incompetência,  começa a procurar chifres em cabeça de cavalo!

Custo a crer que estou aqui descendo a lenha em um treinador que, bem ou mal, acabou de obter 3 pontos para a nossa sacolinha.

Mas o que está me apavorando verdadeiramente são os próximos compromissos, principalmente os fora de casa.

Pois a continuar com Fabiano no lugar de Mendez, a manter o louco Diego Macedo na lateral direita, a permanecer não se importando com a marcação no meio de campo, a persistir colocando Berola na reserva… ah, amigos, a nossa dor de cabeça só aumentará.

Eu, tanto quanto vocês, esperava muito mais. Muito mais.

PARA SEGUIR ESTE BLOGUEIRO NO TWITTER, CLIQUE >>> robertoclfilho