Arquivo da tag: Bndes

NÚMEROS DO MINEIRÃO SÃO ESTARRECEDORES!

Paulo Gustavo Blanc, analista de sistemas, se debruçou sobre os números (valores) do Mineirão e, neste texto, esclarece ao público as condições em que o Mineirão foi entregue à iniciativa privada, em detrimento de uma administração própria, gerenciada pela ADEMG.

Vamos ao que o Paulo Blanc tem a dizer:

Tenho acompanhado pela internet as questões da PPP do Mineirão e este assunto tem chamado muito minha atenção por causa do impacto financeiro que pode ter no Galo.

Fiz uma análise do anexo V do Edital, que fala sobre a remuneração da concessionária e as compartilho agora com o público.

A forma de cálculo da remuneração é bem complicada, envolve uma série de situações e indicadores, mas basicamente podemos dizer o seguinte:

Há duas remunerações que a Minas Arena tem direito:

1) São 120 parcelas que o governo do Estado repassará à Minas Arena para pagar o empréstimo de 400 e tantos milhões feito com o aval do governo do Estado. Estas parcelas são reajustadas anualmente pela TJLP + 2,3%.

2) Há também uma garantia de receita líquida de R$ 3,7 milhões por mês pelo tempo da concessão, ou seja, 25 anos, que serão corrigidas anualmente pela inflação. A exigência para garantir este mínimo é que a Minas Arena atenda requisitos mínimos de desempenho, como entregar a obra no prazo e manter o estádio em condições adequadas de uso, ou seja iluminação, higiene, sistema hidráulico, etc. Se a Minas Arena cumprir os requisitos de desempenho, a única hipótese de sua receita líquida ficar abaixo de R$ 3,7 milhões é se a operação do Mineirão der prejuízo. Neste caso, a Minas Arena continua recebendo os R$ 3,7 milhões do governo do Estado, mas obviamente tem que descontar o valor de prejuízo para chegar à sua receita líquida.

Considerando que é pouco provável o prejuízo da Minas Arena, já que os gastos de uso do estádio são cobrados diretamente da renda (gerada pelos clubes), vamos simplificar e entender que a sua garantia mínima é de R$ 3,7 milhões por mês.

Então, este valor é para remunerar o investimento que a Minas Arena fez na obra (estimado em uns R$ 200 e poucos milhões, mas ninguém sabe com certeza quanto disso foi realmente gasto na obra) e também para remunerar os serviços relevantes que a concessionária prestará ao povo do estado de Minas Gerais durante o período de concessão ao manter um dos mais modernos estádios do mundo em plenas condições de uso (favor perceber a ironia).

Em números, esta segunda remuneração representa 3,7 x 12 meses x 25 anos = R$ 1,110 bilhão de renda garantida. Se considerarmos que o investimento da Minas Arena foi de R$ 250 milhões, chegamos a uma taxa de juros mensal de 1,94% ao mês ou 19% ao ano. Pode até não parecer muito para alguns, mas quando lembramos que estamos vivendo uma situação no país de taxa de juros real abaixo de 2% ao ano, um rendimento mínimo garantido de 19%aa é fantástico.

Uma coisa que não ficou clara para mim é quanto foi a parcela de investimento da Minas Arena fora os R$ 400 milhões emprestados pelo BNDES. Pelo que entendi, ninguém sabe exatamente quanto foi, já que os R$ 200 e poucos milhões foram baseados em uma estimativa do governo de quanto custaria toda a obra menos o empréstimo do BNDES. E também não consegui achar em lugar nenhum informação se a Minas Arena fez algum empréstimo com BNDES ou com qualquer outro banco para bancar esta parte. Algum leitor tem alguma informação clara sobre isso?

Bom, os dados acima são de estarrecer. Eu não consigo entender como a Minas Arena foi o único consórcio que apresentou proposta para um negócio tão rentável.

PS: fiz minhas análises com base nos documentos no link http://www.compras.mg.gov.br/licitacoes-em-destaque/233-ppp-mineirao. Quem se interessar em checar as informações, é só acessá-lo.

Paulo Blanc

Nota do blogueiro: CPI DO MINEIRÃO JÁ!

PARA SEGUIR O AUTOR DO ARTIGO NO TWITTER, clique aqui.

SIGA ESTE BLOGUEIRO NO TWITTER clicando aqui

Anúncios

HOUVE CORRUPÇÃO NO ESTÁDIO OU FOI UM SONHO? PENSE.

Imaginem uma história ficcional. E tenho certeza que não ocorreu porque nossos políticos são pessoas confiáveis. É apenas uma quimera imaginada por este que vos fala, influenciado por um sonho em noite mal dormida. Mas, mesmo assim, porque não contar?

No sonho, eu sou o governador do Estado de Minhas Gerais, um dos maiores da federação e uma das sedes da Copa do Mundo.

No meu gabinete, ando de um lado para o outro, pensando:

Teremos de gastar milhões _ talvez, se Deus ajudar, mais de um bilhão _ na reforma do Otarião. Não é toda hora que surge uma oportunidade assim!

Decido me debruçar sobre o trabalho porque mentes ociosas só produzem bobagens. Tenho de analisar seriamente quais as opções que temos para a reforma do estádio:

1 – De um lado, o Estado pode obter um aporte junto ao BNDES de forma a reconstruir todo o Otarião por conta própria e administrá-lo através da ADEMGA. Com a adesão dos dois times fortes do Estado, poderemos pagar o financiamento em 25 anos. Nesse sistema, os clubes não serão massacrados e o torcedor terá ingresso a preço mais acessível. Bom demais, né? Hã… preciso pensar. Vamos à segunda opção.

2 – Temos à nossa disposição a PPP (Parceria Público-Privada), que é uma nova lei para licitações que podemos experimentar. Quem sabe é melhor? Vou lê-la agora e me inteirar direitinho… hã… bom isso… opa, interessantíssimo… puxa vida, nunca vi uma lei tão bacana!

Eufórico, reúno o staff.

_ Pessoal, já decidi. O Estado de Minhas Gerais fará a licitação no sistema PPP. Vamos gastar uns 40 milhões no início da obra _ pouco, não é verdade? _ e o resto será, conforme a PPP permite, entregue à iniciativa privada. Junto ao BNDES, eles poderão financiar a reforma. Depois pagaremos uma quantia irrisória  de 3.500 milhões mensalmente (reajustáveis) durante 25 anos, a título de administração do estádio e para que eles paguem ao Banco. Vai sair na urina! Otarião não é o nosso negócio, vocês sabem. Melhor terceirizar…

Um secretário que fizera, freneticamente,  as contas na calculadora, se manifesta:

_ Mas, governador, sairá muito mais caro. Os caras pegam emprestados 200 e poucos milhões e vão receber mais de 700 milhões? Senhor governador, eles não enfiarão a mão no bolso, não partlharão os riscos! Além disso, vamos entregar o Otarião para a iniciativa privada?

Fico meio puto, mas me contenho:

_ Você acha que uma empresa administra um estádio a troco de nada? Temos de pagar sim! Analisei profundamente a lei e decidi que a PPP é a melhor saída para o Estado.

O secretário insiste, nojento como ele só:

_ E os clubes, como ficarão nessa história? O administrador vai pensar só em lucro. Vai arrancar o fígado deles. Não seria melhor a ADEMGA?

Eu penso um pouco e sou sincero na resposta:

_ ADEMGA não gera grana. Eu quero que os clubes se fodam. Mais vale o que é meu!

Depois dos detalhamentos do PPP, todos se retiram.

Eu, já sozinho,  pego o telefone, ligo e rapidamente sou atendido:

_ Amigo, caiu no meu colo um negócio da China pra ganharmos muito dinheiro sem investir absolutamente nada. Uma tal de PPP,  presente dos céus! Coisa de louco! É o seguinte…

Neste momento, acordei. Perdi o melhor final.

[História absolutamente de ficção, sem nenhuma ligação com a vida real. Se algum personagem se assemelha a alguém, trata-se de mera coincidência].

SIGA ESTE BLOGUEIRO NO TWITTER clicando aqui