Arquivo da tag: brasileirão

CORINTHIANS 1 X 0 ATLÉTICO.

O time do Galo jogou com Fábio Costa, Diego Macedo (ou Rafael Cruz), Cáceres, Jairo Campos e Fernandinho; Zé Luis, Serginho, Mendez e Diego Souza; Tardeli e Obina (Daniel Carvalho).

Ah, não? Não jogou assim? Ah, ok.  Jogou com Fábio Costa, Diego Macedo, Werley, Jairo Campos e Leandro; Zé Luis, Serginho, João Pedro (Fabiano) e Ricardinho (Fernandinho); Neto Berolla (Diego Souza) e Ricardo Bueno.

A diferença de um um time para o outro é de nada mais nada menos do que 6 ou 7 jogadores. SEIS OU SETE jogadores!!

E mesmo assim, com um time praticamente reserva, nós demos um calor danado no Corinthians.

Na verdade, foi uma vitória paulista injusta até no talo. Pois no segundo tempo, nós dominamos o jogo. Tanto em posse de bola quanto em jogadas agudas em direção ao gol.

Esta derrota, ao invés de me desanimar, me encheu de esperanças. Pois enfrentamos o líder do campeonato com o time completo e mesmo assim jogamos de igual para igual.

Me fez acreditar no elenco e não apenas no time titular, que não é esse.

O Corinthians iniciou o jogo com um penalti de Werley sobre Dentinho. Chicão perdeu, mas o Corinthians permaneceu dominando a partida… até os 15 minutos.

Depois o Galo igualou as ações e assim persistiu até o final do jogo. O Corinthians teve chances de gol? Sim, claro que teve.

Mas o Galo também poderia ter matado o jogo, principalmente com Ricardo Bueno, em duas oportunidades claríssimas. E Neto Berola poderia ter aberto o placar ao final do primeiro tempo, naquela bola na trave.

E com uma bola displicente, que resvalou em Jairo Campos e enganou Fábio Costa, perdemos o jogo.

Com toda sinceridade deste mundo, eu gostei da dinâmica de nosso time. Não é mais aquele time previsível de alguns meses atrás.

É uma equipe rápida, com jogadas retas em direção ao gol, sem aquela cadência irritante do primeiro semestre.

Só não gostei da substituição de Neto Berola, que era o único atacante que realmente incomodava lá na frente. Ricardo Bueno é mais fixo e não é tão intenso quanto Berola.

Diego Souza ainda está fora de forma e a sua mobilidade está comprometida, enquanto Neto Berola dá opções de jogadas tanto na direita quanto na esquerda.

Enfim, não temos de perder as esperanças. Pelo contrário, depois desta partida, temos de potencializá-las.

Eu acredito que agora vamos partir para o topo.

E você, caro amigo do L&N, o que acha?

PARA SEGUIR ESTE BLOGUEIRO NO TWITTER, CLIQUE >> @robertoclfilho

Anúncios